COMUNIDADE DA ASCENSÃO

Rua Bento Gonçalves, 2394
Centro, 93.510-000,
Novo Hamburgo/RS
Telefone: 3582-4399 / 9166-6623
Plantão Pastoral: 9218-6696
E-Mail: ascensao@ascensao.org.br

Menu
novembro 2017
S T Q Q S S D
« fev    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
 
  • 80861Total de visitas:
  • 18(média) de visitas por dia:
500º Aniversário
figuras_611
Tema do Ano 2013
Restauração Frontal
Rádio Online
Ouça a Rádio União FM de Novo Hamburgo/RS
Ouça com o Windows Media player
Ouça com o Winamp
Ouça a Radio União enquanto navega
Tema da IECLB 2013
Culto Infantil
Durante os culto de domingo há Culto Infantil, das 09h30 às 10h30. Nossa equipe está preparada à espera de seus filhos/as ou netos/as. Traga-os para que façam parte deste Projeto Comunitário. Aqui, eles serão imersos em valores cristãos, diretamente retirados das Sagradas Escrituras, através de histórias bíblicas narradas, dinâmicas de grupo, momento da arte, orações e canções evangélicas. Se você gosta de crianças, venha ser uma coordenadora. Nosso grupo conta com oito pessoas e ficaremos felizes de ter você conosco.
Arquivo Mensal dos Eventos Comunitários

OASE

 

 

O silêncio e o espaço cotidiano das ações das mulheres são referenciais de análise na construção do entendimento da transmissão da memória e da identidade religiosa dos grupos de mulheres da Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas na Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. O silêncio não fala, não é possível traduzi-lo em palavras, mas nas ações ele se torna palavra. As ações cotidianas e o testemunho de fé das mulheres da OASE, em silêncio, são indicações do formato social de nossa realidade sócio-religiosa. A tese do silêncio que sustentamos advém das palavras das próprias protagonistas da ação. Este silêncio não é sinônimo de ausência ou de fraqueza. É presença e também poder. A rede de poder é uma teia que se alastra por toda a sociedade e ninguém pode dela escapar. Também as mulheres da OASE, em seu centenário silêncio, exercem o poder. Analisar as teias do poder que são vivenciados nas relações cotidianas destas protagonistas é olhar para a particularidade da vida. A tentativa de mergulhar no cotidiano, de buscar o significante do invisível é por reconhecê-lo como espaço, tempo e lugar dos conflitos racionais e irracionais de nossa época, onde se estabelecem os problemas de produção da vida concreta. Nas redes do cotidiano, estão os nós, os laços a serem atados ou desatados. É no espaço cotidiano que se cuida das necessidades básicas da vida. A prática do cuidado é um referencial importante da ação das mulheres. Ela acontece em muitos espaços, mas é na cozinha que se concentram a maioria das suas ações, tanto no cotidiano doméstico quanto nas ações comunitárias. A cozinha é o lugar que permite o acesso ao entendimento da cultura, da expressão religiosa que definem o comportamento e a forma de como se entende a vida e a fé cotidianamente. O espaço da cozinha é o lugar da memória, dos cheiros, da continuidade das relações. É em torno da mesa que a comunhão é vivenciada. É através da memória que os valores da fé são transmitidos. Portanto, é a memória guardada pela mãe que as faz pertencer ao universo religioso de comunhão, de testemunho e de serviço. O perfil característico deste grupo tem na memória transmitida a construção do vínculo. Este também é o perfil característico da mobilização religiosa: a perpetuação da memória como construtora da continuidade religiosa. É a memória religiosa que conserva, reproduz e garante a permanência de um pensamento, de uma identidade confessional. Temos no grupo das mulheres da OASE um valorativo e comprovado potencial de guarda da memória da identidade religiosa e da continuidade da mesma.

Pa. Sissi Blind